PINO

  • pino-rp-web-01
  • pino-rp-web-02
  • pino-rp-web-03
  • pino-rp-web-04
  • pino-rp-web-05
  • pino-rp-web-06
  • pino-rp-web-07
  • pino-rp-web-10
  • pino-rp-web-11
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • _dsc2180
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO
  • PINO

galeria marcelo guarnieri | ribeirão preto

abertura/opening
11.11.2016 / 19h – 22h
November 11, 2016 / 7 – 10pm

período de visitação/exhibition
11.11.2016 – 21.01.2017


rua nélio guimarães, 1290
ribeirão preto – sp – brasil / 14025 290
[ mapa/map ]


Tudo começou cinza na metrópole paulistana, o ano era de 2007. Em contraposição a certos hábitos instituídos no mundo das artes, PINO foi fundada por Antônio Ewbank e Chico Togni, livre de qualquer agenda ou doutrina. Em quase dez anos de história, importantes transformações tomaram curso e acabaram por moldar a atual forma do projeto. Ao longo dessa estrada, as inúmeras parcerias levaram enfim à incorporação de um terceiro membro efetivo à equipe, Edu Marin Kessedjian. Nossa missão resume-se desde o início a buscar meios para melhor equacionar a desproporção existente entre a vida cotidiana e os objetos que a tornam possível ou suportável. Não por acaso, submetemos a um cuidadoso exame os vários processos através dos quais cada artigo é fabricado. Procedimentos que não apresentem influência sobre a função do produto são logo deixados de lado. Mesmo os artigos que não atendem a determinados padrões de tamanho, aparência e acabamento terminam transformados em novos objetos. Nesse sentido, os materiais utilizados na confecção das diferentes linhas de produtos são de extrema relevância. Considerável atenção é dada à sua seleção, procuramos em todo canto pelas matérias-primas mais apropriadas: de materiais e resíduos industriais a apetrechos descartados – itens que podem ser facilmente adquiridos a baixo custo ou mesmo ser encontrados pelas ruas e esquinas da capital de pedra. Nosso lema é resultado de um trabalho meticuloso de subtração: não há razões complicadas por trás da ideia PINO!


Chico Togni (1981). Formou-se em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo no ano de 2005. No ano de 2012, participou do programa Smithsonian Artist Research Fellowship, em Washington D.C., EUA. Recebeu os prêmios Projéteis de Arte Contemporânea Funarte-RJ (2008), 14o Salão de Arte Contemporânea MACC e Centro Cultural São Paulo. Apresentou exposições individuais na galeria La Maudite (2014), Centro Cultural São Paulo (2013, 2008, 2006), Centro Universitário Maria Antonia (2009), Paço das Artes (2009, 2006). Participou, entre outras, das seguintes exposições coletivas: Huit Mois (Point Éphémère – Paris, 2015), No Sound (Galeria Milan, 2015), Red Bull Station (2015), Comic Sans (Centro de Arte Contemporáneo de Quito, 2012), Loja 99 (Galeria Homero Massena, 2011), =748.600 (Paço das Artes, 2011), PINO (Galeria Baró Cruz, 2011), Exposição de Verão (Galeria Box 4, 2010), Máquina (MARP, 2009), Abre Alas (Galeria A Gentil Carioca, 2009), X Salão Nacional Victor Meirelles (MASC, 2008), 3+2 (Centro Cultural BNB, 2008), 14o Salão da Bahia (MAM-BA, 2007).

Antônio Ewbank (1983). Formou-se em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo no ano de 2006, obteve o título de mestre em 2012 e atualmente desenvolve pesquisa de doutorado na mesma escola. No ano de 2015, realizou a residência de arte do Red Bull Station. Apresentou exposições individuais no Centro Universitário Maria Antonia (2009), Paço das Artes (2009) e Centro Cultural São Paulo (2008). Participou, entre outras, das seguintes exposições coletivas: No Sound (Galeria Milan, 2015), Red Bull Station (2015), Comic Sans (Centro de Arte Contemporáneo de Quito, 2012), Loja 99 (Galeria Homero Massena, 2011), =748.600 (Paço das Artes, 2011), PINO (Galeria Baró Cruz, 2011), Exposição de Verão (Galeria Box 4, 2010), Máquina (MARP, 2009), Abre Alas (Galeria A Gentil Carioca, 2009), X Salão Nacional Victor Meirelles (MASC, 2008), 3+2 (Centro Cultural BNB, 2008), 14o Salão da Bahia (MAM-BA, 2007).

Edu Marin Kessedjian (1976). Formou-se em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo no ano de 2005. Possui obras nas coleções do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo, do Museu de Arte de Ribeirão Preto, do Museu de Arte Moderna de São Paulo, da Casa da Imagem do Museu da Cidade, da Casa do Olhar da Prefeitura Santo André e do Prêmio Porto Seguro de Fotografia. Apresentou exposições individuais no Ateliê 397 (2014), Casa da Imagem (2014), Galeria Pilar (2013), Centro Cultural São Paulo (2005), Centro Universitário Maria Antonia (2005) e Instituto Itaú Cultural (2004). Participou, entre outras, das seguintes exposições coletivas: 15o Festival Internacional de Fotografia de Valparaíso (Chile, 2015), Red Bull Station (2015), Mostra de Aquisições Recentes do Acervo do Museu de Arte Contemporânea de Ribeirão Preto (2014), Fronteiras Incertas (MAC-USP, 2013), Dez anos do Clube da Fotografia do MAM (MAM, 2010), Recorte Afetivo (Espaço Ophicina, 2010), Gabinete (Galeria Virgílio, 2008), Prêmio Atos Visuais (Funarte Brasília, 2008), Identidades Contrapostas (Instituto Tomie Ohtake, 2008), Oniforma (Centro Cultural São Paulo, 2007).

adminPINO