FLÁVIA RIBEIRO. ENTRE OBJETO E SER

  • web_flavia-ribeiro-01
  • web_flavia-ribeiro-02
  • web_flavia-ribeiro-03
  • web_flavia-ribeiro-04
  • web_flavia-ribeiro-05-ab
  • web_flavia-ribeiro-05-b
  • web_flavia-ribeiro-06
  • web_flavia-ribeiro-05

FLÁVIA RIBEIRO. ENTRE OBJETO E SER

galeria marcelo guarnieri | são paulo

abertura
20.05.2017 / 14h – 18h

período de visitação
20.05 – 01.07.2017


Alameda Lorena, 1966
São Paulo – Brasil
[ mapa ]


Suponhamos que inicialmente seja desenho. As formas que surgem desconexas na imaginação de Flávia Ribeiro precisam, em algum momento, de um papel para se materializar, mesmo que seja apenas na visão. Uma espécie de anteparo, talvez, por onde possa deslizar qualquer tipo de material que deixe seu rastro. Ganham a certeza do traçado para alcançar, logo depois, a maturidade de um formato. Desenho como ferramenta do pensamento, como um primeiro encontro presenciado pela artista, entre aquilo que estava dentro e que agora está fora de si.

Suponhamos que inicialmente não seja desenho. Desinvestido de sua função de projeto, o desenho existe apenas como um segundo encontro, uma forma de entender, no plano, aquilo que já foi modelado no espaço. Uma espécie de tradução. É assim que surgem, no papel, tipos diversos de algo parecido a estruturas empilhadas, que podiam bem ser esqueletos de cadeiras ou mesas sem tampo. Embora sustentadas por pernas finíssimas e desajeitadas, parecem robustas, e talvez por essa ambiguidade, nos deixem confusos sobre o seu tempo de vida: seriam ainda esqueletos, em processo de fortalecimento para um dia suportar a carne, ou seriam já esqueletos, pura carcaça? Não ocupam sozinhos o espaço do papel, dividem o plano com campos de cor que podem vir em amarelo ou cinza, delimitados pela forma assertiva de um retângulo. Talvez seja da cor que se trata a carne. Na segunda dimensão, é ela quem tenta preencher o vazio dos corpos-esqueletos construídos pela artista.

Suponhamos, então, que inicialmente seja o espaço. Testar peso, tamanho, equilíbrio e textura. Tocar, moldar e fundir para descobrir do que se trata. Mexer nas coisas e fazer parte delas, doar um pedaço do próprio corpo por meio do gesto. Ribeiro precisa trazê-las para a terceira dimensão, transformá-las, enfim, em coisas: coisas que pesam, imóveis sobre o chão ou pendentes no ar. Pesam também no tempo, quando fundidas em bronze, matéria que carrega o valor da história e o símbolo da eternidade. O bronze, aqui, dá corpo à estruturas tortas, aparentemente frágeis, mas que, evidentemente, jamais quebrarão; petrifica um galho de árvore, eximindo da matéria-orgânica seu desejo maior: a vida.

Aliás, não seria a própria experiência da vida uma questão no trabalho de Flávia Ribeiro? Bem distante da abordagem literal ou religiosa, Ribeiro nos permite refletir sobre ela a partir de noções como movimento e transformação. Seus objetos parecem estar sempre em trânsito, pulando da terceira para a segunda dimensão, ou da segunda para a terceira; assumem múltiplas formas de existência, sendo papelão e parafina para logo então ser bronze, ou ser guache para depois ser veludo; podem articular-se em módulos como peças soltas, o que lhes permite infinitas combinações; também podem ser pendentes a partir de pontos de apoio fixados na parede, atestando a força da gravidade que rege e organiza nossa forma de vida neste planeta; constroem-se a partir do desejo constante de cercar espaços cheios de vazios, reivindicando seu direito de existência entre o tudo e o nada; evidenciam, enfim, em suas superfícies, o vigor do gesto de uma mão inquieta, seja no traço do lápis, seja na modelagem da parafina. Assim, somos instigados a acompanhá-los, caminhando pra lá e pra cá de modo a alcançá-los, curvando a coluna ou esticando o pescoço, sentindo no corpo e na alma o efeito de suas variadas texturas, dimensões e atmosferas; aliviados quando diante das superfícies lisíssimas do gesso ou sufocados pelo preto absoluto de uma manta de feltro muito grossa. A relação que estabelecemos com os trabalhos de Flávia Ribeiro, aliás, não precisa ser mediada pelas palavras, afinal, ninguém precisa nos dizer que estamos vivos: podemos sentir.

Flávia Ribeiro apresenta nesta mostra, trabalhos, em grande parte desenhos e esculturas, produzidos entre 2014 e 2017. Apesar de se apresentarem visualmente distintos entre si, todos eles são parte integrante de um mesmo conjunto de interesses de Ribeiro, que passam pelas questões da matéria, do corpo e da linguagem, e embora sejam pensados como peças individuais, possuem uma forte relação de irmandade tanto no processo de produção, quanto na montagem da exposição. “Entre objeto e ser” é a primeira de mais duas mostras individuais de Flávia Ribeiro que serão apresentadas nas unidades do Rio de Janeiro e de Ribeirão Preto da Galeria Marcelo Guarnieri.

FLAVIA RIBEIRO. BETWEEN OBJECT AND BEING

galeria marcelo guarnieri | são paulo

opening
May 20, 2017 / 2 – 6pm

exhibition
20.05 – 01.07.2017


Alameda Lorena, 1966
São Paulo – Brasil
[ map ]


Suppose that initially it were about drawing. The forms that emerge disconnected in Flávia Ribeiro’s imagination need, at some point, paper to materialise, even if only visually. A sort of platform, maybe, on which any kind of material can slide and leave behind its trail. Achieving certainty within a mark, where after, a maturity of a format is reached. Drawing as a tool of thought, as a first encounter witnessed by the artist, between what was internal and is now external.

Suppose that initially it were not about drawing. Released from its function as a project, drawing exists only as a second encounter, a two-dimensional way of understanding what has already been modelled in space. A kind of translation. That’s how it emerges, on paper, several different kinds of something similar to stacked structures  which could well be skeletons of chairs or tables without their tops. Although supported by extremely thin and awkward legs, they seem to be robust, and perhaps because of this ambiguity we are confused by their condition: are they skeletons in the process of strengthening so that one day they can support flesh, or are they simply skeletons, pure carcass? They don’t occupy on their own the space on the paper but divide the space with fields of colour, either yellow or grey, bounded by the assertive form of a rectangle. Maybe the colour has something to do with flesh. In the second dimension it is the colour which tries to fill the void of the skeleton-bodies built by the artist.

Suppose that initially it were about space. Testing weight, size, balance and texture. Touching, shaping and forging to discover what it is all about. To handle things and to be part of them, to give a piece of your own body through a gesture. Ribeiro needs to bring them to the three-dimensional; transform them, finally, into objects. Objects that weigh, standing still on the floor or hanging in the air. They also weigh in time, when cast in bronze; matter that bears the value of history and the symbol of eternity. The bronze here gives body to crooked structures, apparently fragile, but which, clearly, will never break; it petrifies the branch of a tree, freeing organic matter from its great desire: life.

In fact, wouldn’t the very experience of life be a question in the work of Flávia Ribeiro? Far from literal or religious approaches, Ribeiro allows us to reflect on this based on notions such as movement and transformation. Her objects seem always to be in transit, jumping from the third to the second dimension or from the second to the third; they assume multiple forms of existence – cardboard and paraffin at one moment, bronze at another, or moving from gouache to velvet. They can be articulated in modules as loose parts, which allows them infinite combinations; they can also hang from fixed points on the wall as if they were confirming the force of gravity that governs and organises our way of life on this planet.  They are built upon the constant desire to encircle void-filled spaces, claiming their right to exist between everything and nothing. Finally, they show in their surfaces the strength of the gesture of a restless hand, whether in the trace of a pencil or in the shaping of the paraffin. Thus, we are encouraged to follow them, walking back and forth in order to reach them, curving the spine or stretching the neck, feeling in body and soul the effect of their varied textures, dimensions and atmospheres; relieved when facing the extremely smooth surfaces of the plaster or suffocated by the absolute black of a very thick felt blanket. The relationship we establish with Flávia Ribeiro’s work, indeed, does not need to be mediated by words. Nobody has to tell us that we are alive: we can feel it.

Flávia Ribeiro presents in this exhibition works, mostly drawings and sculptures, produced between 2014 and 2017. Although they are visually distinct from each other they form a group representing the interests of Ribeiro, namely issues of matter, body and language. Although they are thought of as individual pieces they have a strong relationship of brotherhood both in the production process and in the setting of the exhibition. ‘Between Object and Being’ is the first of three individual exhibitions by Flávia Ribeiro to be shown at the branches of Galeria Marcelo Guarnieri in Rio de Janeiro and Ribeirão Preto.

adminFLÁVIA RIBEIRO. ENTRE OBJETO E SER