MARCUS VINICIUS
Estrutura Quadro: Revisão e Desdobramentos

  • marcusvinicius
  • _MG_0245
  • _MG_0255
  • _MG_0256
  • _MG_0260
  • _MG_0269
  • _MG_0276
abertura
26.07.2014 | 10h – 17h (sábado)

período de visitação
28.07 – 23.08.2014
seg a sexta das 10h às 19h | sáb das 10h às 17h

local
Alameda Lorena, 1966
São Paulo – Brasil
+ 55 11 3063 5410 | 11 3083 4873


A ‘Estrutura quadro’ é uma série de regras impostas por Marcus Vinícius para a construção e configuração de sua produção. O artista definiu, a partir dos materiais tradicionalmente usados na confecção e nos meios de exibição das obras de arte, o que empregar em seu trabalho, e a maneira que esses elementos devem ou podem atuar.

Estabelecidas as regras, o trabalho do artista é, passo a passo ir encontrando brechas, ver quais novas idéias e possibilidades são admissíveis, dentro dos limites impostos por ele. E é a partir dessas brechas que o trabalho se desdobra. Regras postas, o artista passa a acomodar elementos geométricos de vidro, madeira e ferragens, pintados sempre apenas com as cores disponíveis no mercado, para formar a superfície de suas pinturas.

Assim chegamos em ‘Estrutura quadro: revisão e desdobramentos’. Na exposição Marcus propõe a revisão de séries anteriores, e desdobramentos, que como recorre em toda sua produção, foram se apontando no fazer dos trabalhos, na busca do melhor acabamento, ou da melhor acomodação dos diversos elementos que compõe o trabalho.

Nesses desdobramentos, o artista chegou a um novo material, o alumínio, que se nos preocuparmos em seguir as regras da ‘estrutura quadro’, entra como elemento da moldura. A partir desse novo material todas as regras se repetem, a novidade é que em alguns trabalhos o alumínio se apresenta sem revestimento de tinta, ele é apresentado com suas características plásticas. Os trabalhos em si, são molduras-caixas de alumínio, onde a primeira camada é o vidro de proteção, e o fundo é também alumínio. No curto espaço entre o fundo e o vidro, de aproximadamente 1 cm, é que tudo acontece. As laterais internas das molduras recebem delicados recortes geométricos coloridos. A construção da pintura, neste caso, não se apresenta na superfície, como acontece normalmente nos trabalhos do artista.

Talvez seja o uso da matéria crua a novidade da vez na obra de Marcus Vinícius, o não revestimento de tinta destes trabalhos de alumínio, e a série onde o que vemos na superfície é apenas o efeito de uma acidulação no vidro, e alguns poucos recortes de vinil adesivo. Sem revestimento, a cor apresentada é a cor da matéria usada.

Toda a composição dessas pinturas do artista parece se assemelhar muito mais a uma composição industrial, ou até arquitetônica. Não que não haja no trabalho uma inteligência de pintura. A cartela limitada de cores, que deveria ser fator limitante de resultados, é sabiamente contornada pelo artista através da combinação das cores, onde um amarelo se torna mais quente ou mais frio de acordo com a cor do elemento colocado ao seu lado. A questão é o encaixe, como em um desenho de planta baixa arquitetônica, não é admissível o vazio, toda a composição espacial dentro da estrutura quadro é organizada e ocupada. E deste modo, o trabalho revela sua feitura, um olhar mais atento é capaz de decifrar seus encaixes, suas diferenças de superfície, seu modo de construção.

Se o trabalho lida com o espaço, avançar para o espaço ele avança muito pouco, quase nada. Apenas os trabalhos das series Listrados e Arrimados, onde vidros se apoiam sobre os quadros, ou se projetam apoiados em calhas das madeiras que compõe a superfície dos trabalhos, se desdobram para fora do retângulo ou quadrado do quadro. Ainda assim são vidros, avançam para o espaço, mas projetam a luz, o espectador e o próprio espaço para dentro.

O espaço que interessa aqui é o espaço entre, existente entre superfície do trabalho e a parede, e o espaço criado na superfície da pintura de Marcus, todo fragmentado, e que busca através da ilusão um espaço pra dentro.

Douglas de Freitas | Julho de 2014.


Marcus Vinícius, 1967 – São Paulo – SP, Brasil. Vive e trabalha em Osasco – SP, Brasil.
Licenciado em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Participou de diversas exposições individuais e coletivas, das quais destacam-se as realizadas nos seguintes espaços: Centro Universitário Maria Antonia – SP; Centro Cultural São Paulo – SP; Instituto Figueiredo Ferraz – Ribeirão Preto – SP; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – SP; SESC Pompéia, Interlagos e Paulista – São Paulo – SP; Espaço Cultural Casa da Ribeira – Natal – RN, Museu Metropolitano – Curitiba – PR; Museu de Arte de Santa Catarina – Florianópolis – SC.

adminMARCUS VINICIUS
Estrutura Quadro: Revisão e Desdobramentos